Bem-vindo ao Blog do Prof. Marcus Eduardo de Oliveira

Aguardamos e contamos com a sua participação.















30 de dezembro de 2010

AROUND THE IDEA OF ECOLOGICAL SOCIALISM



AROUND THE IDEA OF ECOLOGICAL SOCIALISM
By Marcus Eduardo de Oliveira

Publicado original pelo PRAVDA, em 29/12/10.

These are some central points of discussion on what is usually called ecological socialism, or as some prefer eco-socialism: to radically change economic rationality, to approach the concerns of economics as part of the need to liberate man, to create a new environment for the life of every human being without the usual division that giving privileges to some at the expense of many and recognize definitely the existence of limits to growth.

Socialism, yes, is in the direction of elevating the social and political bonds that relate, first, to Mother Earth. Socialism moves in the direction of giving true criticism to a "god-capitalism" which states as its basic idea that the market, the sacred altar of money, can do anything. This socialism, defended here, is put in a position contrary to that premise, believing that the market is unable to solve everything and that the world cannot live only for consumption and more consumption, as the "god-capitalism" always wanted and wants to be so.

Who has eyes to see knows that there is a contradiction between capital and nature and it should be rethought in light of a new perspective that includes essentially and preferably, the human being inside the object of analysis of economic models, on the premise that the world is not, as we said, an object, a simple commodity ready to be digested by greedy mouths. Ecological socialism, eco-socialism, is to disprove the god-market and put new rules in the game, defending the basic underpinnings of life, condemning first the consumption artificially induced by advertising that provides for the survival of that "god" mentioned herein.

This ecological socialism advocated by Mexican economist Enrique Leff, by sociologist Michael Lowy, by Victor Wallis, John Bellamy Foster, Jean-Marie Harribey, Raymond Williams, David Pepper and many other names of prominence in academia, points to the need to instill in the collective imagination the fact that every time capital is built on the ruins of nature life for everyone comes into danger.

Maybe that's why Enrique Leff rightly points out that "the economy is generating the entropic death of the world." This "death" to be understood, becomes clearer when one realizes that the only concern of the "Lords of the World Economy" is about saving big business, not saving the planet and life. By the way, it would be better to say saving lives, since the planet will be able to live without us, as it is independent of our presence to survive.

On the side of the economy and voracious consumerism, the god-market basis, which destroys everything in the name of meeting the dictates of marketing, we are cognizant that the order of macroeconomics commanded by these "Gentlemen" is one: for the global economy to grow and grow and grow increasingly. On the other hand, for the sake of survival and respect for the laws of life, the order is one of ecology: fight for the possibility of ensuring the survival of our species.

While the fact is that it is no longer possible to accept the marketing sermon that makes a minority prosper while the majority know closely the drama of exclusion in a society that seems not to be otherwise beyond that of consumerist, inspired by advertising, funded by capital, destroyer of nature.
Those who defend the model to make the economy grow without limits to promote the "general happiness" as if it were feasible, and as if there was not any kind of socioeconomic difference, are wrong to ignore that this "growth" is dependent on the laws of nature and that nature in all its amplitude, is not (and never will be) able to account for this growth policy.

Eco-socialism

Finally, what is ecosocialism? To Lowy, "It is the question of a current of ecological thought and action that takes on the fundamental achievements of socialism while getting rid of the madness for over production." But the sociologist John Bellamy Foster has defined eco-socialism as "the rational regulation of production, respecting the relationship between metabolic social systems and natural systems in order to guarantee the satisfaction of common needs for present and future generations."

Therefore, the definition given by Foster is not far from the recommendation made by the Brundtland Report. To better illustrate this issue there are three aspects to highlight the position of Foster. They are:

* Recognition of the limits to growth and the break with the productivist logic that associates the increase in welfare with a production increase. The prefix echo the word socialism means to reconcile intra-generational equality with equal inter-generational;

* The reformulation of the production system in order to make it dependent solely on the use of renewable resources, linking with the previous principle. It should be noted that sustainability requires a use of renewable resources at a pace that ensures its renewal;

* The social use of nature, focusing on community management of common resources.

As seen, the terms eco-socialism and ecological socialism are far from being mere idioms or mere romantic rhetoric. They are, moreover, concepts that gain relevant outlines in a world that lives intensely in the most serious ecological crisis in history. For the good of all, the thought is in defense of sustainability that grows stronger day by day. Nature and life will thank you.

Marcus Eduardo de Oliveira is an economist and professor of economics the FAC-FITO and UNIFIEO, in São Paulo, Brazil. Member of GECEU - Group Study of Foreign Trade (UNIFIEO) and writer EcoDebate Portal, the website "The Economist" and Zwela News Agency (Angola).

3 de dezembro de 2010

PORTAL PARA CONTROLE DAS FINANÇAS PESSOAIS




FEBRABAN oferece portal para controle das finanças pessoais

Camila Prochnow, da Humantech Gestão do Conhecimento, de Joinvile, SC, recomenda o novo serviço da FEBRABAN que visa promover controle das finanças pessoais. Leia os detalhes abaixo:

No Meu bolso em dia, o leitor tem acesso a informações sobre as formas mais eficazes de guardar seu dinheiro, realizar a melhor compra, investir ou financiar

Lições sobre investimentos pessoais, conceitos de operações financeiras, dicas para administrar do jeito certo as dívidas. Esses são alguns dos serviços oferecidos no portal Meu bolso em dia, uma iniciativa da Federação Brasileira dos Bancos (FEBRABAN). O programa tem como objetivo orientar os cidadãos e as famílias sobre as melhores formas de administrar e organizar seus próprios orçamentos, promover o consumo consciente e ampliar a compreensão sobre os diversos produtos e serviços do sistema financeiro. Enfim, é um programa prático e funcional, totalmente isento de custos, elaborado para ajudar as pessoas e as famílias a fazerem a adequada administração de sua vida financeira.

No site Meu bolso em dia, o leitor encontrará divididos entre as categorias “Entenda o banco”, “Sempre positivo”, “Como comprar melhor” e “Você participa” materiais constantemente atualizados e que abrangem vários aspectos das finanças pessoais.

No menu “Entenda o banco”, por exemplo, os leitores ficam compreendendo nomes que estão na rotina da população que usa os serviços bancários, mas que nem sempre conseguem ser facilmente explicados. Uma linguagem simples e sucinta aborda os conceitos básicos de serviços como conta corrente, cheque especial, financiamento, previdência, seguro, etc.

Para tornar o conteúdo mais dinâmico, o portal disponibiliza vídeos que ajudam a apresentar seus conteúdos. Além disso, quem acessar pode também adaptar o material do site às suas necessidades, por meio de planilhas, simuladores e testes para saber de que maneira o dinheiro está sendo utilizado e identificar os principais problemas desse uso.
De acordo com o presidente da FEBRABAN, Fabio Barbosa, a constante inclusão de consumidores no mercado bancário lança o desafio aos bancos para que eles se capacitem e possam auxiliar esse usuário recém-chegado, além daqueles que têm dúvidas na administração de suas finanças. “Quanto mais claro for esse relacionamento com o dinheiro, melhor para os clientes, para os bancos e para nosso país. Todos ganham”, afirma.

Acesse todo o conteúdo do site, no endereço www.meubolsoemdia.com.br.

Saiba das atualizações também pelo Twitter: Twitter.com/meubolsoemdia.

1 de dezembro de 2010

Desenvolvimento Sustentável: É possível? | Cidade Futura

CIDADE FUTURA, no Rio de Janeiro, publica nosso artigo "Desenvolvimento Sustentável: É possível?". Confiram:

Desenvolvimento Sustentável: É possível? | Cidade Futura

SUSTAINABLE DEVELOPMENT: IS IT POSSIBLE?



Sustainable Development: Is it possible?
Marcus Eduardo de Oliveira (*)

In his latest book "Caring for the Earth, Protecting Life," Leonardo Boff asserts: "In 1961, half of the Earth was needed to meet human demands." In 1981, we quote: "we needed the entire Earth. In 1995, we exceeded by 10% its spare capacity, but it was still bearable. "

However, alarms continued to be triggered announcing the expansive aggression suffered by the Earth. The calendar marked the day the 23rd of September 2008, predicted by scholars as "Earth Overshoot Day. That is the day the Earth becomes overrun. Thereafter it was believed that on a universal scale, the Earth has exceeded by 30% its ability to support and replace.

From there, you wonder, what can be done? Continue to run rampant exploitation / waste of natural resources without limits or make a quick reversal? Continue prioritizing the diverse goods the market requires all the time or look with respect and attention for the quality of life? Continue with the preaching drawn from the seminal works of economics that point out that economic growth is an effective remedy for the cure of social ills or to make this a subject in science to search for the same goals in life, whose essence is the quality rather than quantity?
Answers to these questions are scattered around, although there is more disagreement than consensus on thinking about the intricate relationship economy - nature-resources - desires - production - consumption.

Eric Hobsbawm, one of the greatest intellectuals of the century, in this regard has already positioned himself: "Either we enter a different paradigm or go against the darkness." On the other paradigm, the renowned historian says that changes in the system are not sufficient, you must change the system.

Destroying nature in exchange for the pleas of the voracity of the consumer market is to destroy the webs that sustain life. The market, as well as the entire economy, depends on something that is above it all: nature. The economy, as productive activity, is just a byproduct of the natural environment and depends outrageously on a variety of resources that nature holds. We humans, like all living beings, are parts and not all of the natural environment that includes a wealth of living creatures.

It must be emphasized that we are not on earth, we are the Earth. We do not occupy nature as mere participants, we are in nature from the fact that we are made of stardust. We depend on the nature of the arable land, water, air, sun, rain, phytoplankton (unicellular microscopic algae) and depend on the stars. That's not prose or verse, it is fact!

There are the stars, with a unique ability to shine and therefore with the power to remove the fear of the night. They convert hydrogen into helium by nuclear fusion, and from this combination emerges potassium, oxygen, carbon, iron that will be located in amino acids (the chemical units that make up proteins) and proteins (which form the muscles, ligaments, tendons, glands, and finally, that allow bone growth). Without it life would not be possible.
We are still part of nature for philological reasons (scientific study of a language). Not coincidentally, we originate from the Biblical Adam (Adam in Hebrew means "Son of the land"), although this is purely metaphorical. We are also part of nature when we realize that even the philological aspect of the word man / human comes from "humus," which means "fertile land."
Every time we see these issues come up, we will further deepen the importance of the topic. Environmental concerns, seen in a not too distant past as merely rhetorical and romantic today, for our happiness, will occupy the agenda of the key government leaders.

To some extent, it seems to be the consensus that we're talking about a perspective that involves, in essence, the maintenance of life by the close ties we have to mother Earth, also called Gaia.

It is in everyone's interest, and not just the practitioners of green activism - the first ones to call attention to these serious issues.
In this detail, the argument of the Canadian educator Herbert M. McLuhan (1911-1980) should be cited: "On spaceship Earth there are no passengers. We are all crew."
The economy, being one area of knowledge of the humanities, cannot do without help in the dissemination of a discourse in favour of life, and not in favour of the market as god, as has been common since the advent of the Classical School in the eighteenth century.

Discussing development through the lens of economics is, above all, thinking about qualitative aspects, and not in the current economic dimension of the projects targeted only for the quantitative aspect. To understand the economy only by the amount of things produced is an abysmal mistake that has only further caused the culture of waste and lack of frugality with regard to regular productive activity, while deepening consumerism, that scourge of the capitalist system.
Even today, despite the most strident and forceful speeches about the serious environmental crisis that is recognized, it is presented as a good economic policy that can make the GDP go up, regardless of whether that growth will occur in the area of environmental exploration / destruction.

They forget or ignore everything that grows too much, or explodes or spreads. To explode or to spread means, roughly, loss and waste. To grow just for the sake of growing is the foundation of cancer cells. The economy cannot go down that path. It leads to death. Now this is not solidifiable; is highly destructible. The path of any economy that has as its only priority and does everything to meet the dictates of the market that calls for more production and consumption, reaching peaks of unimaginable growth, is known by all: destruction, deforestation, pollution, scarcity and extinction of species.

It is in the name of this perverse model that is criminally responsible for deaths that the market is supplied while nature is decapitalized, while life is endangered. At some time, any hour - and hopefully before it's not too late - someone will realize that these words uttered in 1854 were punchtually certain: "(...) They will realize that you cannot eat money."
For the good of everyone is necessary to allude to the fact that it is not possible to measure the growth of an economy when a tree is knocked down, you pollute a river or contaminate a spring. It has another name: insanity.

There is no sustainable economy that thrives on the basis of this pathology. To mitigate this discourse, modern economists have created the term sustainable development. However, there are not a few who commit another mistake in the vain hope that the magic word (sustainable) is in fact something applicable.

However, it remains to ask: sustainable for whom? How? When? Where? To continue unbridled exploitation, this growth cannot be sustained. Therefore, the expression is in itself fallacious. In a development project that is guided by the rules of competition, it is not possible that something is sustainable, since this competition, made by known mechanisms, produces exclusion, a few win and triumph over the loss of hundreds of millions of people.

If thousands are (and they will be increasingly) thickening (and will thicken) within the ranks of poverty and destitution, how can you say it is sustainable development? It is only sustainable when all / any are a part, without exclusion. Exclusion is a concept that does not match the scope of the term sustainability.
Moreover, it is argued insistently that sustainable development is feasible, because one day, nature will answer the demands of renewable resources. Forget those who argue that the universe is finite, it will not increase in size. The resources, a great deal of them, will end, many are not renewable.

So once again it is appropriate to draw attention of the term "sustainable" as being unreliable. L. Boff, reflecting on it in the book cited at the beginning of these words reflects that "(...) sustainability must be ensured, firstly, to the Land, to humanity as a whole, society and every person." The economy (science) in a little more than 230 years will need to advance much further to encompass with primacy this term in their predicates. Exclusively by the methods of competition, nothing will be achieved.

With all luck, the scale of values should prevail then, if we want to prioritize life. It should include cooperation, sharing, solidarity, communion, sharing. Definitely, the project must be economic to serve life in its dimensions, including, above all, the ecological perspective. This is urgent as we think of the prospect that the model is wrong and it's past time to propose an alternative. Life is in a hurry and the clock of time passes too quickly.
 
(*) Brazilian economist. Specialist in International Politics and in Latin American Integration (USP). Professor of economics the FAC-FITO and UNIFIEO, in São Paulo. Writer's Portal EcoDebate and Zwela News Agency (Angola) and the Freedom Newspaper Daily (Galicia)

29 de novembro de 2010

Desenvolvimento sustentável: é possível?

"O Economista", de Joinvile (SC) publica nossa reflexão "Desenvolvimento Sustentável: É Possível?".
Desenvolvimento sustentável: é possível?

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: É POSSÍVEL?




Desenvolvimento Sustentável: É possível?
Marcus Eduardo de Oliveira (*)

Em seu mais recente livro “Cuidar da Terra, Proteger a Vida”, Leonardo Boff assevera que: “Em 1961, precisávamos de metade da Terra para atender às demandas humanas. Em 1981, empatávamos: precisávamos de uma Terra inteira. Em 1995 ultrapassamos em 10% sua capacidade de reposição, mas era ainda suportável”.

No entanto, os alarmes disparados continuaram anunciando a expansiva agressão sofrida pela Terra. O calendário marcava o dia 23 de setembro de 2008 vaticinado pelos estudiosos como o Earth Overshoot Day, ou seja, o dia da ultrapassagem da Terra. A partir dessa data constatou-se, em escala universal, que a Terra ultrapassou em 30% sua capacidade de suporte e reposição.

A partir disso, o que pensar, o que fazer? Continuar de forma desenfreada a exploração/dilapidação dos recursos naturais sem limites ou fazer a reversão de forma rápida? Continuar priorizando o mercado que exige mercadorias diversificadas a todo instante ou olhar com respeito e atenção redobrada para a qualidade de vida? Continuar com a prédica traçada desde os trabalhos seminais das ciências econômicas que pontuam que crescimento econômico é remédio eficaz para a cura dos males sociais ou fazer com que essa mesma ciência esteja submetida ao projeto de vida, cuja essência é a qualidade e não a quantidade?
Respostas a essas dúvidas estão soltas por aí, embora haja mais dissenso que consenso em matéria de se pensar a intrincada relação economia – natureza –recursos –desejos – produção - consumo.

Eric Hobsbawn, um dos maiores intelectuais do século XXI, a esse respeito já se posicionou:“Ou ingressamos num outro paradigma ou vamos de encontro à escuridão”. Por outro paradigma, o renomado historiador quer dizer que não basta fazer mudanças no sistema, é preciso mudar o sistema.

Destruir a natureza em troca dos apelos da voracidade do mercado de consumo é, antes disso, destruir as teias que sustentam a vida. O mercado, assim como toda a economia, depende de algo que está acima de tudo isso: a natureza. A economia, como atividade produtiva, é apenas um subproduto do ambiente natural e depende escandalosamente dos mais variados recursos que a natureza emana. Nós, seres humanos, como todos os seres vivos, somos partes e não o todo desse ambiente natural que contempla a riqueza do viver.

É forçoso ressaltar que não estamos na Terra; somos a Terra. Não ocupamos a natureza como meros partícipes dela; somos a própria natureza a partir do fato de sermos feitos de poeira estelar. Dependemos da natureza, das terras agricultáveis, da água, do ar, do sol, da chuva, do fitoplâncton (algas microscópicas unicelulares) e dependemos das estrelas. Isso não é prosa nem verso; é fato! São as estrelas, com uma capacidade ímpar de brilhar e, por isso, com o poder de nos afastar o medo da noite, que convertem hidrogênio em hélio pela fusão nuclear e, dessa combinação, permite-se aflorar o potássio, o oxigênio, o carbono, o ferro que vão se localizar nos aminoácidos (unidades químicas que compõem as proteínas) e nas proteínas (que formam os músculos, os ligamentos, os tendões, as glândulas, enfim, que permitem o crescimento ósseo). Sem isso a vida não seria possível. Somos natureza ainda por razões filológicas (estudo científico de uma língua). Não por acaso, somos originários do Adão bíblico (Adam, em hebraico, significa “Filho da Terra”), ainda que isso seja puramente metafórico. Somos natureza quando nos damos conta ainda de que pelo aspecto filológico a palavra homem/humano vem de “húmus”, cujo significado é “terra fértil”.

Cada vez que percebemos avançar esses assuntos, mais ainda vamos aprofundando a importância do tema. As preocupações ecológicas, vistas num passado não muito distante como apenas retóricas românticas, hoje, para nossa felicidade, ocupam a agenda das principais lideranças governamentais.

Em certa medida, parece ser consenso que estamos falando de uma perspectiva que envolve, na essência, a manutenção da vida pelos íntimos laços que temos para com a mãe Terra, também chamada Gaia.
Isso é do interesse de todos e de todas, e não mais dos praticantes da militância verde – os primeiros a chamar a atenção para esses graves assuntos.
Nesse pormenor, é oportuno resgatarmos a argumentação do educador canadense Herbert M. McLuhan (1911-1980): “Na espaçonave Terra não há passageiros. Todos somos tripulantes”.A economia, sendo um espaço de conhecimento das ciências humanas, não pode prescindir de ajudar na disseminação de um discurso em prol da vida, e não a favor do deus mercado como tem sido freqüente desde o surgimento da Escola Clássica no século XVIII.

Discutir desenvolvimento pelas lentes das ciências econômicas é, antes de mais nada, pensar em aspectos qualitativos, e não na atual dimensão econômica dos projetos que apontam, unicamente, para o aspecto quantitativo. Perceber a economia apenas pela quantidade de coisas produzidas é um erro abissal que somente tem feito provocar ainda mais a cultura do desperdício e da falta de parcimônia em matéria de regular a atividade produtiva, ao passo que aprofunda o consumismo, essa chaga do sistema capitalista.

Ainda hoje, mesmo diante dos mais contundentes e acirrados discursos sobre a grave crise ambiental que se estabelece, apresenta-se como sendo uma boa política econômica aquela capaz de fazer o PIB subir, independente se esse crescimento se dará nas bases da exploração/destruição ambiental.

Esquecem ou ignoram os apedeutas que tudo que cresce muito, ou explode ou esparrama. Explodir, esparramar, significa, grosso modo, perdas, desperdícios. Crescer por crescer é a base das células cancerígenas. A economia não pode mais trilhar esse caminho. Isso leva à morte. Ora, isso não é solidificável; é altamente destrutível. O caminho de qualquer economia que apenas prioriza e faz de tudo para atender aos ditames do mercado que clama por mais produção e consumo, atingindo picos de crescimentos inimagináveis, é por todos conhecido: destruição, desmatamento, poluição, escassez, extinção das espécies.

É em nome desse modelo perverso e criminalmente responsável por mortes que o mercado é abastecido enquanto a natureza é descapitalizada, ao passo que a vida é posta em risco. Uma hora qualquer – e que não seja tarde demais - alguém irá perceber que as palavras do cacique Seatlle ditas ao governante norte-americano em 1854 estavam pontualmente certas: “(...) Eles vão perceber que não dá para comer dinheiro”.
Para o bem de todos é necessário aludir que não se pode medir crescimento de uma economia quando se derruba uma árvore, se polui um rio, se contamina uma nascente. Isso tem outro nome: insanidade.

Não há economia que prospere sustentavelmente nas bases dessa patologia. Para atenuar esse discurso, os economistas modernos criaram a expressão desenvolvimento sustentável. No entanto, não são poucos os que cometem outro equívoco na vã esperança de que essa palavra mágica (sustentável) seja de fato algo aplicável.
Todavia, resta-nos indagar: sustentável para quem? Como? Quando? Onde? A continuar a exploração desenfreada, não é possível sustentar esse crescimento. Logo, a expressão é, por si, falaciosa. Num projeto de desenvolvimento que se pauta pelas linhas mestras da competição, não é factível que seja algo sustentável, uma vez que essa competição, feita pelos mecanismos conhecidos, apenas produz exclusão à medida que uns poucos ganham e triunfam sobre a derrota de centenas de milhões de pessoas.

Se milhares são (e serão cada vez mais) os que engrossam (e vão engrossar) as fileiras da miséria e da penúria, como é possível afirmar se tratar de desenvolvimento sustentável? Só há sustentabilidade quando todos/todas participam, sem exclusão. Exclusão é conceito que não combina com a abrangência do termo sustentabilidade.

Ademais, argumenta-se, insistentemente, que o desenvolvimento sustentável é exeqüível, pois, um belo dia, a natureza irá responder pelas demandas dos recursos renováveis. Esquecem-se os que assim argumentam que o universo é finito; não aumentará de tamanho. Os recursos, muitos deles, vão acabar; muitos não são renováveis.

Assim, uma vez mais é oportuno chamar a atenção de que o termo “sustentável” é pouco confiável. L. Boff refletindo sobre isso no livro citado no início dessas palavras pondera que “(...) sustentabilidade deve ser garantida, primeiramente, à Terra, à humanidade como um todo, à sociedade e a cada pessoa”. A economia (ciência) em seus poucos mais de 230 anos precisará avançar muito ainda para englobar com primazia esse termo em seus predicados. Exclusivamente pelas raias da competição nada se conseguirá.

De toda sorte, a escala de valores que deve predominar então, caso queiramos priorizar a vida, deve incluir a cooperação, a partilha, a solidariedade, a comunhão, o compartilhamento. Definitivamente, o projeto econômico precisa estar à serviço da vida em suas dimensões, incluindo, principalmente, a perspectiva ecológica. Urge pensarmos na perspectiva de que o modelo aí posto está errado e já passou da hora de propor alternativa. A vida tem pressa e o relógio do tempo passa rápido demais.


(*) Economista brasileiro. Especialista em Política Internacional e Mestre em Integração da América Latina (USP). Professor de economia da FAC-FITO e do UNIFIEO, em São Paulo. Articulista do Portal EcoDebate e da Agência Zwela de Notícias (Angola) e do jornal Diário Liberdade (Galiza)
prof.marcuseduardo@bol.com.brtwitter.com/marcuseduolivhttp://blogdoprofmarcuseduardo.blogspot

10 de novembro de 2010

A Economia e a Vida

A ECONOMIA E A VIDA, nossa reflexão.
Projeto Fava d´anta e Plantas Bioativas do Cerrado: A Economia e a Vida: "[EcoDebate] Talvez o maior erro do sistema capitalista seja o fato de ter baseado a vida econômica na acumulação de capital, identificando ..."

28 de outubro de 2010

Poema de Ernesto Cardenal


Ernesto Cardenal

Tu e eu, ao perdermos um ao outro,
ambos perdemos.
Eu, porque tu eras o que
eu mais amava,
tu, porque eu era quem te amava mais.
Mas, entre nós dois,
tu perdes mais do que eu.
Porque eu poderei amar
a outras
como amei a ti.
Mas a ti nunca ninguém
jamais amará
como eu te amei.

Ernesto Cardenal,1971
(Tradução de Paulo Sant'ana)
]
Nota: Ernesto Cardenal nasceu em Granada, Nicarágua, em 1925. Em 1954 participou na rebelião contra a ditadura de Somoza. Foi monge trapense, ordenou-se sacerdote e fundou a comunidade de Solentiname, em uma ilha do lago da Nicarágua. Vinculado à frente sandinista desde 1978, foi ministro de Cultura de duas legislaturas. Sua obra poética compreende, entre outros títulos, Salmos, Oração por Marilyn Monroe e outros poemas, O estreito dudoso, Homenagem aos índios americanos e O evangelho em Solentiname.

25 de outubro de 2010

O BRASIL PÓS-LULA

O BRASIL PÓS-LULA, nosso artigo escrito em parceria com o prof. Antonio Carlos Roxo é publicado pela ADITAL e retrasnmitido pela Universidad Autonoma Indigena.

20 de outubro de 2010

POEMAS E PENSAMENTOS DE RABINDRANATH TAGORE



POEMAS E PENSAMENTOS DE RABINDRANATH TAGORE

“Compreendemos mal o mundo e depois dizemos que ele nos decepciona”.

“Se fechar a porta a todos os erros, a verdade ficará lá fora”.

Se choras porque não consegues ver o sol, as tuas lágrimas impedir-te-ão de ver as estrelas.

“O poder infinito de Deus não está na tempestade, mas na brisa”.

“A noite abre as flores em segredo e deixa que o dia receba os agradecimentos”.

“Cada criança ao nascer, nos trás a mensagem de que Deus não perdeu a esperança no Homem”.

"Quando as cordas de minha vida se afinarem, a cada toque seu soará a música do amor."

Meu Coração
"Eu perdi o meu coração no empoeirado caminho deste mundo;
Mas tu o tomaste em tuas mãos.
Eu buscava alegria e apenas colhi tristezas;
Mas a tristeza que me enviaste tornou-se alegria em minha vida.
Os meus desejos se espalharam em mil pedaços;
Mas tu os recolheste e os reuniste em teu amor.
E enquanto eu vagava de porta em porta,
Cada passo meu estava me conduzindo ao teu portal".
(49, livro "Travessia")

“A borboleta conta momentos e não meses, e tem tempo de sobra”.

“Aquele que carrega sua lâmpada às costas não lança adiante senão a sua sombra”.

“O homem em sua essência não deve ser escravo, nem de si mesmo, nem dos outros, mas sim um amante. Sua única finalidade está no amor”.

Moderno e arcaico

MODERNO E ARCAICO, nossa reflexão publicada pelo "O Economista", de Joinvile, SC.
Moderno e arcaico

15 de outubro de 2010

O Horizonte da economia: a perspectiva da liberdade



O horizonte da economia:
a perspectiva da liberdade

Marcus Eduardo de Oliveira (*)


Basicamente, pode-se agregar à Economia duas orientações básicas: 1) Ser funcionalista; 2) Ser dialética.
No que concerne às funções vitais (ser funcionalista), a Economia se apresenta em algumas dimensões próprias, a saber: estuda o comportamento dos homens; estuda o processo de escolhas; estuda os conflitos entre a existência de recursos limitados e o atendimento aos amplos, diversificados e ilimitados desejos das pessoas; estuda as diferentes possibilidades de produção. Os bons manuais de Introdução à Economia contemplam detalhadamente esses aspectos.

Em relação à função vital dessa ciência, na essência, guardadas suas sutilezas, a principal delas é proporcionar satisfação às pessoas. A palavra satisfação, no dicionário de economia, significa proporcionar uma vida melhor, regada a bem-estar.
Quanto à orientação em ser dialética, no sentido de provocar a discussão (o diálogo), ainda que em tom laudativo ou pejorativo, a Ciência Econômica ganha um aspecto mais interessante ainda, pois nem sempre (ou quase nunca) há consenso entre os economistas. Em não havendo consenso, as discussões pululam. Não por acaso, a arte da discussão entre os economistas, em sentido geral, é um dos pontos que mais chamam a atenção dos observadores. Tomemos, nesse pormenor, apenas uma singela discussão em torno da questão conflitante ou amistosa, dependendo do ponto de vista, entre os campos econômico e o social. Vejamos aqui um ponto de real dissenso entre os economistas em torno desse assunto.

Alguns consideram os mercados, por exemplo, como construtores do campo social. Esses enxergam que os mercados operam, sempre, de modo o patrocinar o bem comum – aquele bem-estar que mencionamos acima. Outros, no entanto, entendem que os mercados são sempre geradores de crises, promovendo, por conseqüência, uma convivência conflituosa com o aspecto social. É o conflito, nesse caso, que se realça. A partir disso, uns buscam construir uma economia civil (civil economy), enquanto outros pautam a realidade econômica apenas pelo lado mercantil, longe, portanto, do civil, do social. Os que, com unhas e dentes, defendem o mercado como elemento de construção da harmonia, de um equilíbrio social e humano, entendem que sempre há e haverá sintonia entre o mercado e o aspecto social. Para os que, entretanto, se colocam numa posição contrária, o mercado dificilmente tende (ou tenderá algum dia) a promover a experiência da sociabilidade humana dentro da vida econômica normal.

Para uns, a teoria econômica está correta em ser centralizada nas mercadorias – e no mercado, por conseguinte; já para outros, contudo, a base de fundamentação teórica da economia é e sempre será a vida humana, com todas as suas manifestações: trabalho, lazer, bem-estar, bem viver, consumo, produção etc.
Dentro dessas manifestações díspares emerge uma importante pergunta: afinal, qual é, de fato e de direito, o horizonte da economia?

Em nosso entendimento, o horizonte da economia é um só: a construção de uma nova sociedade que leva a edificação de algo mais proeminente. O que seria?
Esse algo mais proeminente nada mais é que a libertação do homem. Construir uma nova sociedade significa, pormenorizadamente, promover, antes, a libertação do homem - principalmente sua libertação do jugo econômico. Não há liberdade, e nem poderia haver, sob uma espécie de jugo que determina as ações e os passos de cada um. A libertação do indivíduo decorre, essencialmente, da liberdade econômica, pois isso permite, outrossim, a possibilidade de novos fazeres. Essa possibilidade vem na esteira do desenvolvimento da economia, como bem pontua Amartya Sen em “Development as Freedom”. Daí o conceito elementar que prescreve que desenvolvimento promove e é, ao mesmo tempo, liberdade-libertador.

Nesse pormenor, o certo é que só há possibilidade de se construir uma nova sociedade, caso “nasça” um “novo homem”. É nesse sentido então que ganha relevância ímpar a relação entre Teologia e Economia, quando se “mesclam” num objetivo próprio e correlato: o objetivo de levar liberdade às pessoas.

É certo que da relação dessas ciências, desses modos de pensar e ver o mundo, que para muitos pode até mesmo não fazer nenhum sentido, dois aspectos tendem a se realçarem e ganham, pois, relevância própria. Vejamos. Se definitivamente entendermos que os modos de pensar da teologia e da economia, em especial no que toca a perspectiva ampla da vida, se afirmam para com (e somente com) as questões que envolvem o viver, teremos clara a noção de que os fundamentos implícitos localizados nessas searas apontam para o fato primordial que busca enaltecer a teia da vida. Quais são, no entanto, esses fundamentos enaltecidos e quais os dois aspectos de maior destaque dessa relação entre a Teologia e a Economia?
Ora, para se viver é necessário produzir bens e serviços. Isso cabe, estritamente, à Economia. O segundo aspecto está relacionado à pobreza – em especial à condição de ser pobre.

Não percamos de vista, nesse pormenor, que a Teologia, essencialmente, faz votos, desde seus textos fundadores, de luta ostensiva em defesa dos pobres. São eles – e ninguém mais – a figura de principal preocupação dos estudos teológicos. Não é por acaso que Jesus, quando inicia Seu ministério, deixa o Jordão e dirige-se à Galiléia. Lá, começa Sua peregrinação teológica por Cafarnaum, lugar que abrigava as comunidades mais pobres dentre as pobres de toda Galiléia.
Pois bem, se do lado teológico tem-se essa premissa em favor da luta contra a pobreza, do lado dos estudos econômicos, entra-se numa discussão de quem (ou do quê) gera essa pobreza que afeta os mais pobres dentre os pobres, afetando todos os pobres em dimensões variadas. É certo, todavia, que a pobreza, vendo-a pelas lentes da economia, não pode ser considerada uma condenação divina, mas, antes, está eivada de condições econômicas que, na verdade, decidiram por sua existência. Na essência, isso significa dizer, grosso modo, que ninguém é pobre por opção, mas todos os que são, assim o são por forças econômicas impostas; forças econômicas que decidem pela existência e até mesmo pela perpetuação da pobreza.

Logo, apenas e tão somente por esses dois aspectos realçados, a relação entre a Teologia e a Economia deve ser cada vez mais salientada e discutida em todos os fóruns que se propõem a discutir o combate à miséria e à desigualdade social.
Para aguçar ainda mais essa discussão, é interessante trazer aqui uma passagem do teólogo peruano Gustavo Gutierrez que salienta tal perspectiva ao afirmar que “ser cristão hoje na América Latina é preocupar-se com o lugar onde os pobres dormirão”.
De igual monta, cabe adaptar essa contextualização para o aspecto econômico e também lançar a seguinte pergunta: o que os pobres comerão – se é que terão oportunidade de comer algo.

Nessa mesma linha de pensamento, dom Hélder Câmara assim afirmou: “Quando dou comida para os pobres [eles] me chamam de santo. Mas, quando pergunto por que os pobres não têm comida [eles] me chamam de comunista”.
Sabemos muito bem quem são “eles” a quem dom Hélder se referia. Resta apenas fazer com que [eles] não atrapalhem mais a condução da economia para a realização de seu verdadeiro horizonte: construir uma nova sociedade a partir da construção de um novo homem.


(*) Economista e professor. Articulista dos sites “O Economista”, “Portal EcoDebate”, jornal Diário Liberdade (Galiza) e Agência Zwela de Notícias (Angola).
Os artigos desse autor em torno de questões econômicas têm sido amplamente publicados no Brasil e no exterior, com destaque em Portugal, Cabo Verde, Angola, Equador, Espanha, Argentina, Estados Unidos e México.

Contato: prof.marcuseduardo@bol.com.br
http://twitter.com/marcuseduoliv
http://blogdoprofmarcuseduardo.blogspot.com

8 de outubro de 2010

7 de outubro de 2010

5 de outubro de 2010

Mário Sérgio Cortella

Prof. Mário Sérgio Cortella responde:



Pergunta: Alguns economistas defendem que, ao melhorar a Educação, melhora-se a economia e todos se beneficiam...

Resposta de Mario Segio Cortella: O Brasil é a 10ª maior economia do planeta e, segundo o ranking da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), uma das piores no ranking mundial de Educação. Se essa relação fosse tão automática, não seríamos um país em condições de miserabilidade educacional. Indepentemente disso, os economistas não são nossos adversários, são nossos parceiros. É preciso que eles apontem mais diretamente e divulguem para a sociedade como se dá esse "milagre brasileiro".

BIOECONOMIA



BIOECONOMIA

Marcus Eduardo de Oliveira (*)


Na compreensão dos processos econômicos contemporâneos, algo de extrema importância não pode escapar da estratégia envolvida na construção dos caminhos que apontam para uma economia solidária (com justiça social equilibrada) e para um modelo de crescimento econômico centralmente sustentável (também com equilíbrio e respeito ao meio ambiente).

Os termos “equilibrado e sustentável” são aqui empregados de forma adrede. Com isso, desejamos apontar para a necessidade de que todos convivam pacificamente de forma equilibrada e sustentada ao longo do tempo em suas relações com o meio ambiente. A razão disso? É simples! O sistema econômico que aí está, grosso modo, para atender as nossas necessidades opera dentro do meio ambiente. Esse sistema é, ademais, apenas um subsistema de algo maior: o próprio meio ambiente. E, caso a relação economia / natureza não seja ao menos equilibrada, o caos logo se avizinha.

Nunca é desnecessário comentar que há uma intensa interação entre economia e natureza, pois é sabido que do meio ambiente o sistema econômico retira recursos naturais para serem transformados em bens e serviços visando promover, na ponta final, o consumo. Consumo esse que, por sua vez, atenderá necessidades múltiplas de todos nós.

A necessidade do contextualizado “equilíbrio” entre recursos econômicos e recursos naturais decorre, portanto, da conscientização de que essa relação de extração natural feita pela economia é na maior parte do tempo pouco inteligente e muito agressiva, uma vez que envolve geração de resíduos, rejeitos e poluentes (tanto no ato da produção em si, como no descarte dos produtos após o uso). Logo, caso não seja realizado a contento, tal processo de extração tende a se converter e potencializar novos desequilíbrios. Percebe-se assim, contudo, que o sistema econômico produtivo tem então uma capacidade ímpar em desequilibrar e também em poluir: polui e desequilibra na entrada (retirando recursos naturais) e na saída (descartando-os).

Conquanto, foi justamente a partir dessa relação nada amistosa e muito desequilibrada entre esses atores principais - economia / natureza - que em meados da década de 1960 começou a surgir explicações técnicas que davam conta da imprescindível necessidade de mudar o rumo do processo produtivo. Àquela altura já se vislumbrava claramente que as constantes agressões ao ambiente somente poderiam gerar passivos ambientais.

Entrementes, foi dessa constatação que também surgiu outra visão econômica que envolvia tanto a biologia como a física; ambas, por sinal, se “relacionavam” à sua maneira com as teorias econômicas consolidadas até então.
Nesse pormenor, cumpre destacar uma idéia teórica que ganhou certa proeminência, embora ainda hoje continua “apagada”, ao menos dentro da abordagem feita pela tradicional teoria econômica: trata-se do que se convencionou chamar posteriormente de bioeconomia.

O que seria isso? Bioeconomia seria a base científica da economia. Na essência, a bioeconomia pode ser definida como um conceito de desenvolvimento que pressupõe novas relações com o meio ambiente, com o planeta Terra em si e com as pessoas.
Federico Chicchi, sociólogo italiano e um dos mais preparados estudiosos desse assunto, aponta que “a bioeconomia refere-se ao processo de captura da vida e à produção da própria vida no interior das regras do discurso econômico”.

Para René Passet, outro renomado especialista no assunto, a bioeconomia é o “novo paradigma da economia”. Esse pensador francês destaca que o conceito de bioeconomia surgiu como conseqüência do alerta ecológico dos anos 1960/70, que descobriu o processo econômico como uma extensão da evolução biológica. A termodinâmica e a biológica são os seus fundamentos. O seu objetivo, diz Passet, “é integrar as atividades econômicas nos sistemas naturais porque as leis da macroeconomia não se reduzem às da microeconomia”. O interesse geral, aponta Passet, “(...) é muito mais do que a soma das partes. Os mecanismos naturais (como o ar, a água) não têm que ver com as leis de mercado; por sinal, problemas com esses bens comuns e naturais transcendem a lógica das nações e dos mercados”.

Dessa forma, na visão de Passet, com a qual corroboramos, a economia situa-se além de si mesma e vislumbra um novo modelo de desenvolvimento, chamado, pois, de bioeconômico. E esse modelo para se efetivar precisa ser de caráter integrador, caso contrário, malogrará.

Pontua-se, para enfatizar-se a questão, que esse seria um modelo capaz de conciliar os interesses públicos, privados e solidários com o interesse amplo e geral. Uma vez mais se ressoa aqui que o interesse geral é para as pessoas. Na esteira desse comentário, enaltecemos que a economia tem tudo a ver com um projeto de desenvolvimento que envolva as pessoas, caso contrário não se sustenta na linha do tempo tendendo a se desequilibrar mais cedo ou mais tarde. As pessoas e o desenvolvimento precisam andar juntos. Os objetivos econômicos precisam apontar para essa realização. Só há verdadeiro desenvolvimento quando as pessoas são por essa ocorrência contempladas. De nada adianta ocorrer desenvolvimento das instituições, por exemplo, se essas não forem colocadas à disposição das pessoas. São as pessoas, essencialmente, as responsáveis por fazer funcionar a economia, as instituições, e o próprio mercado.

Ademais, uma vez que esse processo macro envolve sensivelmente as pessoas, nada mais natural que abordar então as relações da natureza, tendo em vista que o homem não é dono do meio ambiente (do planeta Terra), mas sim um de seus hóspedes e dele verdadeiramente depende para o prosseguimento de seu próprio viver. Infelizmente, esse hóspede tem se comportado como aquele inquilino que, descontente com o valor do aluguel, chega a “maltratar” sua moradia.

Aproximação econômica ao vivente e aproximação “vivente” ao econômico

Por esse prisma bem peculiar, em nosso entendimento a bioeconomia não deve ser apenas entendida como uma aproximação econômica ao vivente, mas sim como uma aproximação “vivente” à própria modelagem econômica. E essa simbiose necessita ser bem sincronizada. A economia, é forçoso afirmar, é uma atividade de transformação calculada que tem como finalidade precípua satisfazer, da melhor forma e com o mínimo de meios empregados, as necessidades humanas mais elementares. E onde estão mesmo os elementos indispensáveis para o atendimento a essas necessidades? Ora, é evidente que está na natureza todo e qualquer recurso necessário para a produção dos bens que nos suprirá as necessidades. E a economia, como não poderia deixar de ser, participa ativamente desse processo.

Nunca é demais aduzir, a título de comentários finais, que a economia intervém em três níveis: i) transformação e cálculo; ii) o nível humano; e iii) o nível natural.
Finalizando essa discussão, cabe retomar a linha de raciocínio de Passet para pontuar que esses três níveis citados são interdependentes e a reprodução do econômico implica a das sociedades humanas e a da natureza como um todo. O bioeconômico então, conforme afirmado aqui, se insere no campo das preocupações fundamentais que estão na perspectiva ampla de se discutir a prática daquilo que possa ser considerada uma boa economia. Isso envolve, sobremaneira, respeitar o meio ambiente e, antes disso, tecer de forma equilibrada as relações que moldam a própria vida.

No entanto, constata-se que infelizmente nem sempre esse assunto ganha espaço e alcança mais ouvidos. Todavia, é nosso dever contribuir para aguçar esse debate ainda que seja necessário remar contra a maré; ainda que seja preciso gritar para ouvidos que insistem em permanecer moucos.


(*) Economista, professor, especialista em Política Internacional com mestrado pela (USP). Autor dos livros “Conversando sobre Economia”, “Pensando como um Economista” e “Provocações Econômicas” (no prelo).
É articulista do Portal EcoDebate e da Agência Zwela de Notícias (Angola). Colaborador do site “O Economista”. Os artigos desse autor em torno de questões econômicas têm sido amplamente publicados no Brasil e no exterior, com destaque em Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, Espanha, Argentina, México e Estados Unidos.
Contato: prof.marcuseduardo@bol.com.br
http://twitter.com/marcuseduoliv
http://blogdoprofmarcuseduardo.blogspot.com

1 de outubro de 2010

29 de setembro de 2010

IT IS NOT POSSIBLE TO THINK OF DEVELOPMENT WITHOUT VALUING PEOPLE




It is not possible to think of development
without valuing people
Marcus Eduardo de Oliveira (*)


Development in its multiple manifestations, is not a question of having, but of being more. Sages and philosophers of all ages and all backgrounds prophesied about this. Gandhi argued that development would be good and fair only if the status of more modest are elevated. In defense of an economy with a more human face, Father Louis Joseph Lebret pointed out that development should not be viewed solely through an economic lens (material accumulation), but also by the social, ethical, political and moral. Adam Smith, keen to study the wealth of nations, said that true wealth is to be judged by the standard of living of families.

So well. If the premise is true that a good economy is one that works, the economy in order to function well and do justice to its status as a science belonging to the field of humanism needs to include people. That said, it is noteworthy that the inclusion of people is undoubtedly for assessing the standard of living of families. Inclusion is associated with well being.

It is by the inclusion of people, making them participants, can we then measure the axis of freedom and betterment of each. This implies, however, capturing the social reality. Put another way, this should be the main focus of economic concerns. It is no coincidence that there is a consensus to say that economic growth is accompanied by a flowering of freedom. Such freedom only becomes complete when it incorporates in its essence the most important imperative: social justice. In turn, social justice is another name for an economy that is built into the central idea you want to put progress in the service of the poorest. Those who drive (and participate) (d) modern economies - the economic agents - must be aware of this premise.

Definitely, you cannot think of development without valuing people, and it is not possible to speak about the growth of freedom and social justice knowing that a third of humanity is plunged into misery. Further delaying the solution of this enormous and inhuman problem is procrastinating the evolutionary scale of life. Before that, it is to insult the ability to live in balance and in harmony with themselves and others.

Now if every social problem requires an economic solution, then the economy is the height of solving this ignominy. Although, before action consensus is necessary. Why do we say this? Because the divergence in this case hardly divides and does not allow building the new. Let's see what the confusion and the pandemonium, in terms of conducting economic activity tends to be established, which prevents, above all, pointing and surveying the horizon clearly.

When it comes to economic matters, there is much more commonplace terms for dissension than consensus. Take the prism to try to understand the meaning of law and fact for development economists. In detail, some say the best policy would be development that enriches individuals. Others, more concerned with social reality, point out that the best policy is to disimpoverish the needy.

These are on the side of those who think before they need to destroy the foundations of poverty in order to solidify the economy and society with an ability to thrive without the most social cruel stains of modern times: hunger, poverty, social exclusion. The latter is still knowing that an economy goes bad and regresses when the speculation and the tricks of the financial market become more attractive than the creation of new activities that arise from new ideas that are, in turn, centered on the value of human capital.

When human capital (the intellect) is to be valued and included in terms of economic policies, the satisfaction of each one enhances the scale exponentially. If the central idea of the economy (both science and productive activity) is not the inclusion of people, the economy fails to make sense since this science was born to give good answers for how to improve the lives of each one.

To modern economists who base their actions on that line of thinking it is time to announce a message coming from the academy. From there, Edmund Phelps, Nobel laureate, says that "good is the economy that satisfies the desire for a good life." Anyone want a better life aspiration than to feel good and be included?

So if economists have a well-defined function that is certainly to be involved in the process of economic and social transformation. The economy and modern economists have, in terms of analysis and action, achieved social objectives. As it is not possible to think of development without valuing people. Without inclusion, there is definitely no progress!
 
(*) Economist and university professor. Specialist in International Politics and master FESP and USP. Writer's Portal EcoDebate "and Zwela News Agency (Angola). It's developer site "The Economist".
prof.marcuseduardo @ bol.com.br
http://twitter.com/marcuseduoliv

Pensando como um Economista – e-book - Livros - Literatua - Artes & Colecionáveis - Guia do Consumidor

PENSANDO COMO UM ECONOMISTA, nosso livro divulgado em Angola.
Download gratuito. Leia, confira, reflita, opine.

Pensando como um Economista – e-book - Livros - Literatua - Artes & Colecionáveis - Guia do Consumidor

13 de setembro de 2010

MODERNO E ARCAICO




Moderno e Arcaico

Marcus Eduardo de Oliveira (*)

O Brasil está com um pé no século XXI, mas o outro permanece fincado no século XIX. Essa característica dúbia, fruto da tardia transição entre a sociedade agrária para a sociedade urbano-industrial, faz do Brasil um país diferenciado capaz de conviver com realidades destoantes. A mais aguda delas certamente é a desigualdade social e, dentro dessa, realça o fator pobreza extrema.

Essa pobreza tem sido marcada pela fome, embora estejamos num país com mais de 600 milhões de hectares de terras férteis. No entanto, essas estão em poucas e mal aproveitadas mãos. Herança de 400 anos de latifúndio. Aqui a fome de muitos se mistura ao sucesso do agrobusiness. A falta de alimentos convive com a exportação de vitaminas, de carnes e de suco de laranja, ainda que incontáveis sejam as crianças que nunca tiveram a oportunidade de beber desse suco.

No passado, nos fizeram acreditar que bastava a economia crescer que os problemas sociais logo seriam resolvidos. Crescemos, e daí? De 1870 a 1980, o PIB cresceu mais de 150%. Daqui até 2030 crescerá também mais de 150%. No entanto, no primeiro intervalo de tempo mencionado, apenas concentramos mais que distribuímos todo esse crescimento. Somos o quarto pior país em termos de concentração de renda do mundo.

Ainda hoje não é raro encontrar aqueles que insistem em dizer que esse país se desenvolveu. Será? Não! A verdade é que apenas nos modernizamos, pois, como disse Celso Furtado, “como é possível falar em desenvolvimento com tanta gente atormentada pela miséria”. É assim, todavia, que convivemos com o moderno e o arcaico. Dessa forma, os problemas econômicos e sociais continuam se avolumando, e, pelo caminho, vai deixando suas vítimas estiradas ao chão. Exagero, dirão alguns. Creio que não.

Em pleno século XXI ainda há gente morrendo de fome nessas terras em que “se plantando tudo dá”. Essa patologia, por aqui, parece ser endêmica. Somos um país com capacidade de fabricar e exportar aviões, mas 1/3 das residências ainda não tem água encanada. Somos donos de uma das melhores cirurgias plásticas do mundo, mas os rostos enrugados de nossos idosos ainda são muito mal tratados pelos baixos salários baixos vindos do INSS. Os pés descalços de nossas crianças convivem com a exportação de calçados de primeira qualidade para o mundo rico. Continuamos a adoçar as bocas dos europeus, não a de nossa gente. Exportamos alimentos que não chega à mesa de muitos brasileiros. O tempo médio de escolaridade por aqui é semelhante aos dos países mais atrasados – menos de cinco anos. A dengue ainda mata gente. O analfabetismo (formal e digital) é alto e a desigualdade é parecida com a dos tempos feudais. Para arrumar a casa, falam em reformas. No entanto, elas não acontecem.

Quais seriam essas? Primeiramente, a tributária (hoje quem ganha muito paga pouco e quem ganha pouco paga muito); a social (ainda não foi consolidado o estado de bem-estar social, em que pese avanços assegurados pela Constituição de 1988), e, por fim, a agrária (que mantém intacta a estrutura fundiária oriunda das Capitanias Hereditárias). Esse somatório de situações apenas reforça a convivência do moderno com o arcaico.

(*) Economista e professor universitário.
Prof.marcuseduardo@bol.com.br

Ainda somos muito desiguais

"Ainda somos muito desiguais", publicado pelo "Tendências e Mercado".

Ainda somos muito desiguais

8 de setembro de 2010

Em 2030...



EM 2030...

Marcus Eduardo de Oliveira (*)


No decorrer do século XXI, o Brasil ainda apresenta uma faceta de problemas econômicos e sociais típicos do século XIX. Essa marca arcaica, talvez fruto da tardia transição entre a sociedade agrária para a sociedade urbano-industrial, é verificada nos indicadores sócio-econômicos que apontam dedo em riste para a consolidação do que há de pior em termos de desigualdade: a pobreza extrema.
Pobreza essa marcada pela fome de 30 milhões de brasileiros largados à própria sorte, situados abaixo das linhas de pobreza e de indigência – dependendo dos ganhos diário, segundo critérios estabelecidos pelo Pnud-ONU.
A pobreza extrema – patologia típica dos subdesenvolvidos – é o sinal mais agudo da exclusão social que ganha contornos mais marcantes quando se pensa que a economia brasileira – pujante de um lado (o econômico), mas cambaleante, de outro (o social) – faz do crescimento econômico apenas moeda de troca para benefício de uns poucos, à medida que convive pacificamente com a concentração da renda, sem levar em conta que, esse crescimento, por si só, não resolve esse tipo de problema que, em nosso caso, é endêmico.
O que pode sim atenuar a miséria desse século XXI num Brasil de vastas terras ociosas, e também por isso, com fome e sem emprego no campo, característica aliás de 400 anos de latifúndio, são as conhecidas e esquecidas reformas estruturais que ainda não foram feitas, mas que, para o bem de um projeto de Nação, ainda sonhamos com a realização delas, sem que as deixemos cair no onírico.
As reformas? Primeiramente, a tributária (livrando o enorme peso sobre as costas dos que ganham baixos salários, o que também impossibilita consolidar uma estrutura progressiva. Hoje, quem ganha muito paga pouco e quem ganha pouco paga muito); a social (que ainda não consolidou o estado de bem-estar social, em que pese avanços assegurados pela Constituição de 1988), e, por fim, a agrária (que mantém intacta a estrutura fundiária, cuja característica é ser muito concentrada). Fazer essas reformas e amenizar a chaga social da desigualdade é o desafio maior a ser enfrentado por quem se sentará na cadeira da presidência da República, a partir do primeiro dia de janeiro de 2011.
Soma-se a esses o surgimento de outro grande desafio: preparar desde o presente momento a estrutura econômica para enfrentar a escassez de mão-de-obra que acontecerá daqui a 20 anos. Isso mesmo: o Brasil que sempre teve mão-de-obra abundante para os serviços mais simples sofrerá uma reversão. Os serviços considerados mais simples, cuja baixa remuneração dispensa qualificação mais apurada, serão diminutos em 2030. Isso decorre de uma situação inusitada: de acordo com os demógrafos haverá uma considerável redução da nação. Daqui há 20 anos, portanto, em 2030, o número de nascidos será bem menor do que o número de mortes.
A estimativa é que teremos uma população em 2030 de 207 milhões, ante os 240 milhões que estavam previstos por estudos realizados pela demografia no início dos anos 1990
Isso se relaciona ao processo de envelhecimento da nação e, por conseguinte, aumenta a dificuldade na formação e capacitação de força nova no mercado de trabalho. Lembremos, nesse pormenor, que em 2008 havia no Brasil 3 milhões de pessoas com 80 anos ou mais; em 2030, confirmando as estimativas, esse contingente será superior a 20 milhões. Ou seja, em 22 anos ocorrerá um salto significativo. Até 2025, o Brasil, segundo a ONU, ocupará o sexto lugar no mundo entre os países com o maior número de pessoas idosas.
No que toca ao perfil da população, em especial ao envelhecimento populacional, hoje mesmo já não há política pública social adequada para lidar com esse fato. Faltam as mais singelas condições de acessibilidade aos idosos. Não há políticas focadas para a sociabilidade mínima que se exige num país que pretende ser chamado de “país sério”. Cabe também às ciências econômicas atentar para o estudo desse fato. Metodologicamente já há estudos interessados nessa perspectiva, chamando essa área do conhecimento de “Economia da Longevidade”.
Conquanto, se hoje as políticas desenhadas pela economia da longevidade são ainda incipientes, espera-se que numa situação onde teremos mais idosos, como será o caso em 2030, vários problemas estejam amenizados.
É desnecessário salientar que o tamanho de uma economia, com todas suas necessidades e potencialidades, está diretamente relacionada ao tamanho e ao perfil de sua população. Cabe lembrar, todavia, que, segundo projeções, em 2030 o Brasil estará entre as oito maiores economias do mundo, acumulando um PIB de US$ 2,5 trilhões. O PIB, de hoje até lá, crescerá 150%, apontando um crescimento médio de 4% ao ano. Seremos, em 2030, o quinto maior mercado consumidor do mundo – hoje ocupamos a oitava posição. Portanto, parece-nos que teremos todas as condições de bem atender essa situação quando lá chegarmos. Enquanto nação, a nossa concepção sempre foi a de cultuar a juventude. É hora agora de pensarmos no “clube da terceira idade” e propor a esses uma sociabilidade mínima, com respeito aos cabelos brancos que ajudaram a consolidar esse projeto de nação.
Márcio Pochmann, em recente entrevista, aponta bem essa problemática: “Um país com uma sociabilidade mínima exigiria centros de entretenimento, de lazer, de cultura de grande envergadura. Hoje, infelizmente, o nosso centro de integração é o shopping-center. Isso aí não é integração alguma, isso aí é mercantilização do tempo livre”.
Como podemos notar, os desafios continuam presentes, entra governo, sai governo. Resta-nos esperar e fazer votos que o próximo mandatário (ou a próxima mandatária) se sensibilize, de fato, em relação a isso e, desde o primeiro dia de trabalho, comece a desenhar políticas públicas para reverter essa situação. O tempo passa rápido. É hora de agir! 2030 está logo aí!


(*) Economista brasileiro, professor de economia e especialista em Política Internacional. Articulista dos sites “O Economista”, “Portal EcoDebate”, da Agência Zwela de Notícias (Angola) e colaborador do “Diário Liberdade”, da Galiza (Europa).
Autor dos livros “Conversando sobre Economia”, “Pensando como um Economista” e “Provocações Econômicas” (no prelo).
Contato: prof.marcuseduardo@bol.com.br
http://twitter.com/marcuseduoliv
http:blogdoprofmarcuseduardo.blogspot.com

6 de setembro de 2010

4 de setembro de 2010

ENCONTROS ACADÊMICOS

Com FREI BETTO, ago/2010.


Com IGNACY SACHS, dez/2009.



Com LADISLAU DOWBOR, out/2009.



Com CELSO FURTADO, jun/2003.



Com CRISTOVAM BUARQUE, mai/2001.



Com ALOÍZIO MERCADANTE, jun/1998.

3 de setembro de 2010

Why Does Everyone Talk About the Importance of Education but Few do Something to Improve It?


Why Does Everyone Talk About the Importance of Education but Few Do Something to Improve It?Publicado pelo PRAVDA, em sua versão inglesa.

Why Does Everyone Talk About the Importance of Education but Few Do Something to Improve It?Why Does Everyone Talk About the Importance of Education but Few Do Something to Improve It?

Hugo Eduardo Meza Pinto (*)
Marcus Eduardo de Oliveira (**)


Hypothetically, imagine the situation in Brazil after receiving two atomic bombs in any war. Imagine further, that all the pride of the country has been devastated, like its infrastructure and economic and social development. Compounding this scenario of pure imagination, imagine that Brazil has no wealth of natural resources (anything from the Amazon or Atlantic Forest) or the mineral wealth we now have.

In this imaginative exercise think now that the geographical area of that country was composed of volcanic islands vulnerable to earthquakes in the last degree on the Richter scale.

Imagined? It would be chaos, right?

If you think this is one of the world's worst case scenarios, be surprised to learn that in the last century, after the Second World War (after 1945), Japan had all these features described above, with the exception of natural resources in large scale.

However, even given all these constraints of structural and economic orders, this oriental country managed to overcome them with massive investments in a policy of long-term development, focusing on reconstruction of infrastructure and especially in the appreciation of education as an element of transformation. The Japanese educational policy focused specifically on the creation of technical courses supported by a policy of innovation applied at the base. Copy the best products, surpass them in quality, and the proposed goal was achieved by the Japanese. Result? In the 1980s, the then U.S. president Ronald Reagan (1911-2004), had to ask the Japanese Prime Minister Noboru Takeshita (1924-2000), that companies of his country, especially the automotive sector, stop selling cars in the U.S. market, since such action could cause the fall of General Motors (GM).

Not very long after these events, in the 1960s, South Korea sought a model of economic development to be able to move forward with South Korean companies. The socioeconomic indicators of the country were below the Brazilians, not counting the tiny home market. At the same time, Brazil was experiencing the fruits of the process via Import Substitution Industrialization (ISI), which was basically to protect the domestic market from international competition, thus ensuring a space for companies which were within the country (both domestic and multinationals). Such a practice would lead to a competitive process capable of making local businesses replace imported products, ensuring, in essence, a consistent and promising industrialization.

Korea, it is important to note, copied this model with some variations: 1) protected its industry while at the same time promoting competition in the world order, 2) as its domestic market was small, they opted to sell their products to the world, which obliged it, therefore, to make its industries take measured efforts with international leaders, particularly on issues of innovation and competitiveness, 3) conducted an extensive and symptomatic revolution in its education system.

The last demonstration in which this took place? Radical changes occurred in schools through the university level. Substantial investments in basic education have made South Korea think big, as the ruling class believed that education needed structural change. From there a culture of meritocracy was implanted to encourage education, increasing the number of hours of study. Today, after a decade of the new century, the South Koreans study twice as many hours as compared to Brazilian children.

South Korea emphasized specific points: improved teacher salaries, increased partnerships with the private sector in order to raise funds for education and promotion of technological innovation and, ultimately, involved the nuclear family in responsibility (co-participation) in the process of teaching and learning. They applied the sermon that together (government, families, businesses, students and teachers) all become stronger.

The figures underpin this statement: The budget for education in South Korea rose from 2.5% of its Gross Domestic Product (GDP) in 1951 to 22% in 1980 - in less than thirty years, a jump of more than 750% . The result was predictable: South Korea was the only country that managed to develop economically in a well structured form over the last quarter of the twentieth century.

Education: the key variable

In the examples cited, education appears as a decisive variable for the development of countries (Japan and Korea), and currently it is being worked in a cohesive manner for countries growing at considerable rates such as India and China.

This "variable" called education, was also the object of study by economist Theodore Schultz (1902-1998). Following the war, Schultz wondered why Germany and Japan, which were defeated countries physically ravaged by the crudity of bombs, recovered so quickly. Schultz's conclusion was that the speed of recovery of these countries was due explicitly to a healthy and highly educated population. He said a good combination of these two variables - health and education - weprefer to callit sentiment, would significantly increase the productivity and competitiveness of these and other countries who transited through these paths.

It was in this way - which was already highly familiar to many - that Schultz introduced a new key element for economic development: the Education Capital, which would later be identified as Human Capital. In essence, the know-how (savoir-faire) that Schultz prioritizes as a lever for development.

The work of Schultz, besides influential, particularly in the allocation of resources from developed countries (say Korea whose lesson was well learned and applied) was also on a list of staff development policies recommended by institutions like the World Bank, the International Monetary Fund and the UN itself, in its various reports and studies.

All these situations are well known and some are part of public domain. It is not through ignorance that, in some places, the promotion of education does not become a priority. Certainly the reasons for the neglect are different, with multiple facets.

History is replete with good examples. Examples of development guided by appropriate educational policies are also illustrative. Exiled in Chile during the 1840s, Domingo Faustino Sarmiento (1811-1888) was commissioned to improve the Chilean educational system. On his return to Argentina, Sarmiento became the ninth president of the Republic (1868-74). During this period, he converted the Argentine educational system into a model of excellence. Soon the number of public schools doubled and more than 100 qualitatively unique public libraries were built. Even up to now, Argentines reap the fruits of this system. Not at random, five of our brothers have won the Nobel Prize, three focused on science, including physiology and medicine in 1947.

As for Brazil, the ones who put their feet first to colonize these lands have always wanted this to be a simple place, capable of producing and supplying useful items for metropolitan trade. By the end of the colonial period, this was the goal of the Portuguese empire. It follows that education came to be treated, on Brazilian territory, with mere negligence.

Education work sponsored by the Society of Jesus was removed from Brazilian reality. The first letters were not taught to the simple people, but the sons of the elite (children of the plantation owners). For the simplest (Indians and children of the settlers), teaching was in charge of converting them to the dictates of the Church. Thus, education in Brazil was born with an elitist paint, and continues today - just pay attention to the qualitative distance education for the deprived with the elevated who pay private monthly tuition payments and the still higher educational level and compare them with what is learned in public schools that lack chalk, chairs and, often, teachers are threatened with death in the peripheries.

The first university in Brazil and the five centuries of neglect

Of equal amount, the first university in Brazil was not born with a project to bring liberating and inclusive education, but only to flatter the European elite, granting the King of Belgium the title of Doctor Honoris Causa, in 1920, on account of his visit to the country. This is the seminal history of the current Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), originally known as University of Brazil (UB). What led to this? The continued collapse of public power, begun with the Portuguese, for teaching in Brazil. Today, through the years that are running in the XXI century, we reap the bitter fruit of those badly-initiated public administrations in the sixteenth century. There are five centuries of neglect. Currently, the Brazilian educational system is highly inefficient to promote a break with the status quo and to promote, through knowledge, a policy of valuing the individual.

In Brazil, coming from the world of politics, being a politician with a refined Administrative vision, remains the banner unfurled by Cristovam Buarque. The "Revolution in Education" advocated by the current senator, unfortunately, has not yet reached the ears of the deaf central executive power. As few revolutionaries are within the meaning of the term utopian, Cristovam Buarque is a catapult for those feelings for a better world led by chalk and slate. With this, is packed a world of ideas guided by quality in education. Like him, there is Paulo Freire (1921-1997), Teixeira (1900-1971), Lourenço Filho (1897-1970) and Fernando de Azevedo (1894-1974). And yet, it remains to ask: how many of us know who they were and what they did?

Some day we will repent bitterly for the neglect with which we treat education. We will never be able to build a cohesive nation. And the gateway to this construction is well known: quality education, not quantity of education, merely for convenience.

Maybe that's why Celso Furtado (1920-2004), our most brilliant economist, rightly said that "we never developed, only modernized" because, in my view, development, through the lens of economics, implies a situation where there is an improvement in the state of life for those who compose the most simple strata of society. This leads us to say this is one of the few countries where the wealthy class seems to dislike the fact that the poor and simpler citizens may have the ability to study. It seems that "they" do notwant everyone in a better intellectual condition.

Not coincidentally, we have diametrically opposing social classes - from one side the "luxury," the other the "rubbish." Perhaps that is why we still have (as a nation) a mania about the times of slave society, since there are many who still consider manual labor a thing for little people without merit. A country that wishes to be classified as serious needs politicians to return back to the school bench, to make the first of the most basic lessons the development of the alphabet: to eradicate illiteracy, to qualify the individual and give them the opportunity to thrive in life. And that is not done with a mere 4.3 years of study that, on average, each Brazilian is sitting on a bench at school.

Finally, we must point out here that we seek only understanding of history. Is up to you, distinguished reader, to "discover" who are the guilty culprits for the neglect of education and, more importantly, understand why everyone talks about the importance of education, especially at election time, but few are they that do something to improve it. After all, as the Frenchman Bachelard would say, "the truth is the daughter of discussion." So let's provoke more than discussion. The time is ripe.

(*) Hugo Eduardo Meza é economista e doutor pela Universidade de São Paulo (USP). Diretor das Faculdades Santa Cruz, Curitiba.
(**) Marcus Eduardo de Oliveira é economista e mestre pela Universidade de São Paulo (USP). Especialista em Política Internacional.
http://twitter.com/marcuseduoliv

1 de setembro de 2010

ENTREVISTA - Marcus Eduardo de Oliveira "O Homem no lugar dos números"


Nossa entrevista ao site carioca "Fazendo Media". Falamos sobre economia e a campanha presidencial.

O homem no lugar dos números
31.08.2010

“O juro elevado está fazendo sangrar a economia. Preferia não dizer que, em 2008, em termos de amortização das dívidas interna e externa, foram despejados no ralo mais de R$ 280 bilhões”, destaca o economista Marcus Oliveira. Às vésperas de mais uma eleição, reformas agrária e tributária, Bolsa Família e desenvolvimento sustentável são temas presentes nos discursos dos presidenciáveis. De acordo com Marcus Eduardo de Oliveira, economista e mestre em economia pela USP, não há segredo. Para o país evoluir economicamente, o trabalho a ser feito deve diminuir a pobreza e não aumentar a riqueza. Mesmo que, para alguns, isso seja lógico, o professor não se considera um economista tradicional diante da opinião dominante.

- Uma economia só funciona quando coloca as pessoas em primeiro lugar. A economia é feita pelos homens e para os homens – afirma o professor.

O que Marcus considera o maior problema enfrentado pelo Brasil atualmente, não está na pauta principal das últimas aparições dos candidatos: o preço do dinheiro.

- O juro elevado está fazendo sangrar a economia. Preferia não dizer que, em 2008, em termos de amortização das dívidas interna e externa, foram despejados no ralo mais de R$ 280 bilhões. Conceitualmente falando, juros elevados impedem novos investimentos, à medida que torna atrativa a especulação financeira. Novos investimentos gerariam empregos, que geraria salários, que faria o comércio ser ativado, que melhoraria as vendas da padaria, da farmácia, do mercadinho da esquina.

Marcus explica que, dessa forma, parte dos recursos que deveria ser investida em infraestrutura acaba sendo direcionada para o pagamento de “dívidas estúpidas” que prejudicam a economia.

Marina, “um Lula de saia”

Mas será que os eleitores entendem o que dizem os candidatos quando falam sobre economia? Para Marcus, não é por acaso que Marina Silva e Plínio de Arruda têm menos intenções de voto nas pesquisas.

- Os últimos dados do TSE mostram que somos uma nação com 136 milhões de eleitores. No entanto, ao analisarmos esse número devemos levar em consideração que mais de 53% dos eleitores são pessoas com pouco ou nenhum nível escolar. Nesse país, há 27 milhões de eleitores analfabetos ou que apenas sabem ler e escrever. Do eleitorado brasileiro, 33% têm apenas o primeiro grau. Fora isso, há um tipo específico de eleitor que é, por natureza, totalmente despolitizado.

As estatísticas apresentadas pelo professor são, em sua opinião, o motivo pelo qual propostas mais consistentes não são bem recebidas pela população, principalmente em se tratando de economia, algo que assusta quando não se tem tanta intimidade com o assunto. Porém, a fórmula para desmistificar o tema, segundo Marcus, foi resolvida por Lula. O uso de metáforas e um discurso mais simples, na sua visão, colaboram para que todos entendam o que está sendo dito.

- Quando Marina Silva fala em desenvolvimento econômico sustentável, esse assunto não chega com clareza para metade do eleitorado brasileiro. É preciso trocar o termo economia sustentável para algo mais palatável como, por exemplo, afirmar uma economia que respeita as condições do meio ambiente, uma economia que não agrida a floresta, os rios, que não provoca a devastação ambiental. O Plínio também sofre esse mesmo problema. Não adianta ele falar que é contra a privatização, contra os capitais especulativos ou a rolagem e amortização das dívidas interna e externa. É necessário falar que não vai vender nenhuma empresa, que é contra o pagamento de juros abusivos aos agiotas do mercado financeiro e que os capitais dos gringos estão entrando aqui apenas para aproveitar as facilidades oferecidas. Nem mesmo o termo “juros básicos” (Selic) deveria ser comentado quando se pensa em atingir metade do eleitorado.

O economista aposta que se Marina tornar seu discurso mais compreensível para todos, ela tem boas chances de ocupar o cargo de presidente em poucos anos. Em sua opinião, ela seria “um Lula de saia”.

Reforma Agrária

- Assim como fomos o último país das Américas a acabar com a ignomínia da escravidão, um dos lados mais sujos de nossa curta história, seremos também o último país a fazer reforma agrária – se é que um dia a faremos – afirma.

O economista se sente indignado ao ter que dar aula e dizer aos alunos que “somos um país com 800 milhões de hectares agricultáveis dos quais 200 milhões estão parados”. Para ele, os anos em que Lula esteve à frente do governo era o momento ideal para se firmar uma parceria com o Movimento Sem Terra (MST), mas fica em dúvida se o caminho para o sucesso na distribuição das terras ainda seja uma reforma.

- Talvez devêssemos pensar numa “revolução” agrária. Quem sabe por meio desse tipo de ruptura, ainda que de forma radical, a coisa aconteça. É hora de o movimento popular, em especial o MST, a Via Campesina, e os camponeses que estão esquecidos e largados num canto qualquer, sofrendo as mazelas do latifúndio, começar a pensar nisso. A história mostra que quem fez reforma agrária avançou, e quem não fez regrediu ou estagnou.

"...fomos o último país das Américas a acabar com a ignomínia da escravidão, um dos lados mais sujos de nossa curta história, seremos também o último país a fazer reforma agrária – se é que um dia a faremos", afirma Marcus.

Marcus garante que, no governo Lula, nem reforma agrária, nem tributária e nem judiciária aconteceram. Fato que ele considera uma lástima. O professor explica que a concentração de terras é algo culturamente enrraizado na sociedade brasileira no momento em que ainda éramos colônia.

- Aquela estupidez chamada Capitanias Hereditárias apenas plantou raízes do latifúndio. O fato é que nascemos divididos em 15 faixas de terra entregues a membros da Corte. Perceba então que a reforma agrária foi feita pela elite e para a elite. Isso é patológico.

Crescimento desenfreado X desenvolvimento sustentável

Os presidenciáveis mais populares ressaltam o crescimento e o desenvolvimento do país em larga escala. Já Marina Silva fala em formas sustentáveis de crescer. Ainda que longe de ocupar o cargo, propostas como as da candidata, que conciliam meio ambiente e desenvolvimento, são, na opinião de Marcus, urgentes e desejáveis. Porém, para ele, é necessário entender melhor a relação entre o desenvolvimento de uma economia saudável e o crescimento exacerbado.

- O modelo econômico a ser implantado, caso se queira, de fato e de direito, construir uma sociedade fraterna e menos injusta, deve trocar o crescimento, quantidade, por desenvolvimento, qualidade. Ainda que alguém entenda o contrário, é perfeitamente possível se desenvolver sem necessariamente crescer. Quando o crescimento apenas contribui para concentrar ainda mais a renda nas mãos de uma minoria que continua sendo privilegiada, a noção de igualdade de oportunidades – que a maioria tanto clama – se afasta ainda mais. Ainda hoje, o crescimento da economia é visto, não raras vezes, como santo remédio capaz de curar todas as enfermidades econômicas e sociais. Acontece que isso é um estupendo engano. Pobreza, miséria, fome não se acaba com crescimento da economia. Ele é apenas uma plataforma quantitativa da economia. Não adianta ter 40 milhões de usuários da rede internet e 90 milhões de aparelhos de telefonia celular se ainda tivermos 40 milhões de pessoas famintas, alguns milhões de brasileiros dormindo ao relento nas grandes cidades e milhares de crianças cheirando cola nas esquinas. Essa economia quantitativa, medida em números, não leva a nada.

Alinhando desenvolvimento e crescimento, o economista acredita que o grande tema das futuras campanhas políticas será o meio ambiente, porém, para que isso aconteça, ele garante ser necessário um “casamento harmonioso” entre economia e ecologia. Marcus conta que seus colegas de profissão ainda vêem a questão ecológica com ressalvas.

- A economia e o meio ambiente sempre andaram de mãos dadas. Esse distanciamento não era para ocorrer. A economia não pode se sobrepujar ao meio ambiente. É preciso ter clara a noção de que a economia só existe porque antes dela existem as relações da natureza que nos condiciona à vida.

Na opinião de Marcus, é explicando a relação entre crescimento, desenvolvimento e ecologia, que Marina deveria direcionar sua campanha para obter mais aceitação.

A gestão Lula e sua sucessão

- Ter emprego é estar dentro da perspectiva do desenvolvimento. E buscar o desenvolvimento é se libertar. Nós, economistas, temos clara a noção de que desenvolvimento liberta. Nisso me parece que não há dissenso.

Apesar de pensar que, no lugar do Bolsa Família, o governo deveria ter gerado emprego para todos, Marcus afirma que é inegável os benefícios que a gestão de Lula trouxe para as classes menos favorecidas e que, por sua popularidade, o atual presidente ganhará na história o espaço que já foi ocupado por Getúlio Vargas como pai dos pobres.

- Como a administração FHC foi marcada pela estabilidade da moeda, com um plano Real que acomodou o nível geral de preços, a administração Lula é e será vista pelos brasileiros como a “administração do social”.

Ainda que mais voltado para camadas economicamente prejudicadas, Marcus diz que Lula também fez também por classes com mais poder aquisitivo, e cita o aumento do número de viagens aéreas. Para o economista, quem lota os saguões dos aeroportos é a classe média, favorecida pelos baixos preços das passagens.

Diante de tantos feitos, sem querer desmerecer Dilma Roussef, Marcus acredita que ,elegendo a candidata, os eleitores acreditam estar reelegendo Lula. Ele ressalta que não quer dizer com isso que o presidente continuará no comando da administração. A transferência de votos, em sua opinião, demonstra apenas a vontade dos brasileiros de continuar a ver a figura do presidente no cargo.

A seguir comentários de alguns leitores:

Comentários
Comentário de Marco Antonio Mira Palma
Em 31/08/2010 às 16:09

Ótimo texto sobre a “era Lula”. Concordo com o Prof. Marcus, quando cita os benefícios trazidos aos menos favorecidos, como o Bolsa Família. No entanto, entendo que o que de fato faltou e continua faltando ao Brasil, é um projeto de desenvolvimento econômico e social, onde se pense economia, meio ambiente, fontes de energia alternativas, desenvolvimentos regionais com geração de empregos (exemplo:Nordeste). Em 2014 haverá a Copa, o maior evento esportivo do mundo, e o que o governo fará para capacitar sua população (exemplo- cursos de idiomas, atendimento ao turista, etc), gerar empregos com o turismo na Copa e pós-Copa, enfim, exemplos assim que considero “pensar adiante” , de modo sustentável e com desenvolvimento, agregando valores à sociedade …

Comentário de Nacir Sales Em 31/08/2010 às 19:42

O Professor Marcos Oliveira é respeitado pelo que pensa e faz.
E nós, os Animais Humanos, não devemos pensar e fazer a mesma coisa que o outro para respeitar o outro: a diversidade nos valoriza, nos retira inclusive a possibilidade de sermos percebidos como mais um parafuso na caixa, mais um eucalipto na floresta artificial.
O HOMEM NO LUGAR DOS NÚMEROS é um inicio? O marco seguinte é O HOMEM NO SEU LUGAR NA NATUREZA?
A economia é ciência antropocêntrica por natureza. Sua natureza não considera o Direito da Natureza, mas o direito do homem de exercer o seu domínio sobre a natureza. Um mineral, por exemplo: se pode ser explorado é minério, se não pode é mineral… a diferença está em PODER e na EXPLORAÇÃO.
Colocar O HOMEM NO LUGAR DOS NÚMEROS é um início da mea-culpa na ciência econômica: soa mais justo mais homens com O PODER DA EXPLORAÇÃO, mais justo tendo o homem no centro, como o dono da balança de medir a Justiça. Pergunte ao boi, pergunte ao pássaro, pergunte ao Rio: é Justo colocar o HOMEM NO LUGAR DOS NÚMEROS? Certamente que Rios, Árvores e Animais Não Humanos não concordariam que haveria uma real modificação do quadro de injustiça a que estão submetidos, como massa de dominação da economia, esteja um ou todos os homens no lugar dos números.
Extremamente difícil mudar o status: Árvore não vota, Rio não tem título acadêmico e Animal Não Humano não distribui cargos e benefícios como no jogo da barganha política.
Necessito apostar na modificação do posicionamento do homem: será ele capaz de pensar e agir como sendo o que é? E o que é o homem? “O centro!”, responderão as ciências.
Eu não sou centro, não sou periferia: sou Animal Humano, posicionado em meu lugar… na natureza.

Comentário de Rui de Carvalho
Em 31/08/2010 às 19:55

Prefiro investir no conhecimento!

Comentário de Carlos
Em 31/08/2010 às 22:02

Nacir, acredito que o título da matéria é apenas uma simbologia para mostrar uma idéia de economia mais social. A entrevista mostra o bem social, que logo envolve o animal humano, no lugar de uma economia que só contabiliza e visa o lucro. Se você ler a entrevista perceberá um sentido menos literal e mais simbólico do título!

Comentário de João Em 31/08/2010 às 22:05

E nas ciencias economicas, o homem deve ocupar o lugar dos números! Só assim o bem estar economico será possível.

Comentário de Pedro Aurélio de Mello
Em 31/08/2010 às 23:09

O posicionamento do professor Marcus Eduardo me parece correto. Como economista ele faz a mea-culpa reconhecendo que sua disciplina não respeita a natureza e nem os homens. Daí a necssidade, muito bem reiterada por ele, de “colocar os homens no lugar dos números”. Quem ficoi com dúvida da esfera de economia social levantada pelo intelectual – por sinal esse pessoal das ciências econômicas gostam de explanar de maneira as vezes pouco compreensiva – devria reler a entrevista. Nesse caso, o professor foi claro e preciso. Concordo com ele.
Pedro Mello

Comentário de Diego Marchiori Simião Em 01/09/2010 às 9:43

Concordo plenamente que a economica existe em prol do homem e não dos sistema.
É vergonhoso infelizmente ainda não termos realizado a reforma agrária, e termos tanta desigualdade dentro de imenso potencial.
Por outro lado, somos nós os responsáveis por fazer a mudança, cada um de nós.
O Brasil tem condições de revereter seu cenário de desigualdade, e ser um país sério.

Diego Marchiori